(Re)Unidos pela mão do Senhor

" Um relacionamento perfeito não é formado de pessoas perfeitas, mas de pessoas que buscam a perfeição em DEUS " " Toda ...

"Um relacionamento perfeito não é formado de pessoas perfeitas, mas de pessoas que buscam a perfeição em DEUS"

"Toda a promessa passa pelo teste do tempo"


Preciso mesmo de usar ainda mais expressões para tentar simplificar tudo aquilo que tenho sentido nestes últimos tempos?
Para quem não passa pelas coisas, é difícil explicar de facto.
O que acontece, é que eu não tenho palavras para agradecer a Deus aquilo que Ele fez por nós.
Desde pequena que nunca tive muita sorte com o corazãozinho como na altura dizia. Digamos que eu nunca era correspondida, que escolhia sempre miúdos traiçoeiros que gostavam de brincar com aquilo que eu sentia, e todos aqueles que ainda olhavam para a minha (não) beleza, eram o típico rapaz perverso, e que gosta de pensar em coisas muito simples: tabaco, álcool, disparates e perversidades. Em fim, digo com todo o orgulho que durante muitos anos (quase todos) fui uma completa falhada.
Até que a determinado ponto achei que o meu "fim" seria acabar por ficar com um rapaz nerdezito ou algo do género, ou o mais provavelmente ainda seria acabar por ficar do lado de uma pessoa normal, com as suas qualidades e defeitos, demasiado mainstreaming.

A verdade é que, se eu vir as coisas como estão agora desse ponto de vista, eu estava redondamente enganada. Tenho descoberto ao longo dos anos que não fui feita para alguém normal, igual aos outros. Quando páro para pensar no assunto, percebo realmente que as pessoas com quem me dou melhor, e que melhor entendo, são tudo menos pessoas normais.
Eu mesma começo a me considerar com o tempo uma pessoa absolutamente nada normal - e prova disso é a diferença que sinto de mim para os meus colegas agora na Universidade. Aliás, nem sempre é fácil encontrar uma pessoa tão despistada, cabeça no ar, atrapalhada e boba como eu -.- No início achava horrível ser assim, mas assim que vejo um episódio de anime em que abusam da "cabeça no ar" das personagens, eu começo a achar mesmo muita piada :')

Então assim foi, eu conheci alguém com quem senti uma ligação inicial assim que comecei a conhecê-la melhor. Já faz um ano agora, como o tempo voa num instante!
No início não percebi que eras assim tanto diferente dos demais, para falar a verdade. Eras apenas alguém com quem eu gostava de partilhar o meu espaço, que eu gostava de ouvir falar, e com quem eu gostava de passar tempo. Com o tempo comecei a notar que eras diferente e, confesso, cheguei a achar muita coisa em ti estranha - até que, agora, a tua estranheza é tanto tua, que agora são das coisas mais normais para mim. Tens sido alguém que eu vou conhecendo com o tempo, e que é tão bom fazê-lo, porque eu aprendo sempre cada vez mais sobre ti, e cada vez mais aprendo a te conhecer melhor.

Pouco antes de fazermos oito meses, decidimos os dois acabar por algo que, na altura, eu achava não ter solução. Eu estava tão decidida a fazê-lo, que nem duvidava: sabia que era o mais correcto a fazer, e pensei que não custaria nada depois disso afinal de contas, eu já estava habituada, e talvez fosse pior enquanto nada se resolvia. Tentava tanto convencer-me a mim mesma de que era o melhor, de que eu estava a achar que já nem gostava assim tanto de ti, e que já não sofria por tudo aquilo estar a acontecer. Chamam a isso mecanismo de auto-defesa do ego, sabes? :x
Apenas percebi de verdade que estava a sofrer, pela primeira vez, quando acabámos e o Gi veio falar comigo.

Depois disso, sentia-me um pouco em baixo, mas continuava a fazer de tudo para me lançar lá para o cimo. Voltei a sentir a faltar que me fazias quando alguém se aproximava mais de mim (talvez) com intenções de me "conhecer melhor", e o meu coração entrava em conflito com a minha cabeça, e tudo se tornava numa barafunda, e eu sentia-me completamente confusa e perdida. No fundo, eu ainda me sentia "tua", e eu não queria pertencer a mais ninguém, mesmo sabendo de tudo o que sabia.
Então eu comecei a estar contigo de novo, especialmente porque queria ter a certeza de que voltava a estar contigo enquanto amiga - afinal de contas, eu sempre gostei da tua companhia - e eu sabia que, assim que saísse da colportagem, eu teria de ir até tua casa por causa do Salgueiro. Surgiu um contratempo e a única hipótese que tinha era ficar em tua casa, uma vez que o Ri ia mais cedo para o Salgueiro.
Foi então que, assim que te apanhei no skype, o meu coração disparou.
Aí eu tive a completa certeza de que me fazias falta, e eu ainda gostava tanto de ti, e não era suposto! Enquanto falava contigo, muitas memórias iam aparecendo na minha cabeça, uma atrás da outra, de coisas que já tínhamos passado juntos.
Alguém disse-me que isso não seria bom para mim, mas eu não quis saber.

A minha cabeça estava nesta confusão toda quando me foste buscar para eu supostamente ir ao hospital por causa do ouvido, e quando aturaste a espera por mim quando fui aos saldos no fórum para comprar uma prenda para a Ana e aproveitar para comprar coisas para mim.
O resto, nós os dois sabemos bem.
Sabemos porque disseste que já me tinhas esquecido, e sabemos também o que isso causou em mim. Mas nem isso me fez esquecer-te! :o Impressionante, não é verdade?

 Então passámos dois meses seguidos a nos aturarmos um ao outro. Neste tempo eu aprendi o que era viver contigo não como namorado, mas como companheiro. Tu aturavas as minhas estupidezes ainda mais, e eu continuava a cuidar das tuas costas desgraçadas :/ Continuavas a me conhecer e a me xingar a cabeça para falar quando eu não estava tão bem, e acabavas por aturar as minhas birras e zangas comigo mesma, e as teimosias depressivas que por vezes me assaltavam.
Durante este tempo disseram que éramos parecidos, achavam que éramos irmãos (mais do que tu e o teu verdadeiro irmão, coitado do Ruben xD), primos, tudo e mais alguma coisa que lhes vinha à cabeça. No fundo, ninguém sabia o que éramos ao certo, até tu falares - eu não tinha coragem para isso, já sabes como sou :x
Achava um piadão excelente ao Levi, que uma vez disse "ya, tipo, montes de pessoal me pergunta o que é que vocês são, e eu fico sempre «Hmmm... como é que eu hei de caracterizar a relação daqueles dois»" aahahahahah




Enfim, depois de tanto termos decidido colocar a nossa relação nas mãos de Deus e esperar que fosse Ele a decidir se de facto haveríamos de voltar ou não, e de percebermos os dois o sentimento um do outro, lá nos fomos aturando um ao outro enquanto passámos por irmãos ou outra coisa do género, menos aquilo que realmente éramos, porque geralmente é suposto ex-namorados não se falarem :o (odeio isso -.-)

Então, de muitas formas seguidas, o Senhor mostrou-me o que era suposto eu fazer, e deu-me a resposta que eu há tanto tempo procurava. Sabes, naquela noite de Santa Ceia no IMPACTO'12, houve muita coisa que eu senti ali. Mas quando tu vieste ter comigo pela primeira vez lá, enquanto eu falava com o Ricardo, e nos abraçámos, eu diria que ouvia a voz de Deus a me tocar e dizer "Não procures mais pela resposta, aqui está ela: é ele, volta."
Ali a presença d'Ele era certo, e ali eu conseguia ouvi-lO muito melhor do que quando eu orava e não tinha resposta, e ainda por cima eu tinha noção de que o motivo era eu estar tão distante para conseguir ouvir a Sua voz e entender a Sua vontade.
Mal eu sabia que, também a ti, ele tinha sussurrado ao coração.

A partir desse momento eu comecei a sentir claramente uma diferença na nossa relação. Ainda melhor, tu sofreste uma mudança óbvia, toda ela pela Graça e mão de Deus. Eu estava tão contente com aquilo que eu percebia, que nem sabia como havia de a explicar.
As coisas foram-se passando, e tu feito desgramado fizeste consoante tu querias: cada coisa a seu tempo.

Lembro-me tão bem daquela noite em que chegamos tarde a tua casa, estoirados da viagem. Tu tinhas passado o dia praticamente todo a conduzir, e eu estava com umas "férias" de sono em atraso. Não me lembro se fui ah casa-de-banho nem nada, lembro-me simplesmente que entrei no teu suposto quarto e adormeci assim que me deitei. Não sei quanto tempo depois, vieste ter comigo e perguntaste-me se podias ficar um pouco para falarmos antes de te deitar. Eu estava tão off, tão cheia de sono, mas ainda assim decidi dizer que sim, para veres o quanto eu gosto da tua companhia! U.u
Ainda estivemos a falar um bom tempo, não me lembro exatamente sobre o quê. Sei que a determinada altura disseste que eu podia fazer o que queria, e puff, a Daniela fez asneiras :p Sabes que saudades custam, não sabes? :o
Mas ainda assim tu querias tudo a seu tempo, e mesmo embora eu te tenha visto a agir "inconscientemente" em campos que não eram da tua vontade, eu sabia que tudo se iria resolver ^^


Então, dias mais tarde, acabámos por voltar.
Não fui eu, não foste tu, foi Ele.
Por isso que eu não temo mais, por isso que não quero pensar mais nos problemas que ainda podem surgir mais para a frente. Sabes porquê? Porque da mesma forma que tu aprendeste durante este tempo que és capaz com a ajuda dEle, e com a minha também, de ultrapassares o teu eu, também eu aprendi a lidar um pouco mais com a situação e a te perceber melhor.
Conheci-te muito melhor durante estes dois meses do que talvez em 8 meses. Houve uma evolução muito mais clara durante este tempo em que fomos apenas meros amigos, do que houve durante algum tempo: aprendemos a lidar um com o outro de outra forma, aprendemos mais um sobre o outro, e eu comecei a perceber coisas que não percebia antes.
Houve uma série de coisas sobre as quais eu mudei radicalmente a minha opinião. Eu não percebia bem porque é que querias seguir o teu futuro de certa forma, eu achava que te afastavas das pessoas, quando tu precisas tanto de certas pessoas, quando sentes tanto a falta de outros, e quando és tão amável e procupado com as pessoas à tua volta; eu achava que tu eras incapaz de demonstrar certas emoções com uma lágrima que fosse; eu achava que por vezes te tornavas insensível e eu era incapaz de te atingir; achava que às vezes aquilo que eu fazia não valia de nada; achava que eu não era de facto o que tu precisavas; achava que te afastavas de mim não por estares apavorado e teres medo de me magoar, mas porque eu é que estava errada; achei tanta mas tanta coisa mal, que eu percebi que não te conhecia minimamente.

É verdade que ainda tenho muita, mas mesmo muita coisa para aprender sobre ti. Mas sabes, fico mesmo contente que Deus nos tenha dado esta oportunidade de nos conhecermos tão bem, e tão melhor! Se há algo que me agrada tanto, é que agora estamos tão melhor do que estávamos antes! Nunca estivemos como estamos agora, e isso é mais claro do que a água.

Agora sei que, se for para ficar do teu lado, ficarei. Agora aprendi a esperar, e aprendi a confiar tudo nas mãos do Senhor. Porque Ele sabe bem o que é melhor para mim e para ti.
Como te disse antes, há muita (mas mesmo muita) coisa que me faz acreditar que realmente és tu. Apareceste na altura mesmo devida, e tens me feito um bem enorme, especialmente na altura em que eu precisaria de alguém para me suportar nas minhas dificuldades.

Sei que tu tens muita coisa rara de encontrar que eu preciso, e que até certos defeitos em ti me podem fazer bem, e podem-me ajudar a corrigir outros defeitos em mim também. Quero permanecer do teu lado e conhecer-te melhor para te poder fazer feliz, mas quero ainda mais que seja feita a vontade de Deus.
Ele mostrou-me o que é que eu poderia esperar, e o que é que eu poderia esperar que acontecesse no futuro. Mas melhor ainda, Ele mostrou-me uma forma de suportar e melhorar os maus bocados, e mostrou-me o que é que me pode esperar depois dos momentos menos bons.
Para além disso, Ele ensinou-me a depender d'Ele, e a acreditar que, se Ele nos escolher para ficarmos juntos, então eu vou Lhe render louvores e vou aceitar a Sua decisão, porque Ele sabe melhor do que ninguém o que é bom para nós, e Ele é capaz de me ajudar a passar por qualquer que seja a atrocidade.

Se eu sou escolhida para algo, é porque eu consigo, desde que seja com Ele.
Para além disso, acredito que certas qualidades que me foram dadas, não são simplesmente para as meter numa gaveta. São para tirar partido delas, da melhor forma possível, e da maneira que me for mostrada.


Damo-nos à base da porrada hás vezes, outras acabamos por nos dar à base do mimo. És capaz de me virar ao contrário ou de te rires na minha cara pelas estúpidezes que digo ou faço. Nem eu nem tu gostamos de lençóis por aquilo que tenho visto, e somos os dois umas crianças autênticas, mas que sabem bem o quanto a vida pode ser pesada.
Para além disso, eu continuo a ponderar como é que vai ser a relação entre duas pessoas que são tão despistadas, cabeça no ar e off da realidade por vezes xD

Obrigada Deus porque nos deste esta oportunidade, este tempo tão pouco (que pareceu uma eternidade por vezes, e um tempo tão breve por outras :x) para evoluirmos tanto entre nós os dois, e entre nós os três. Foi uma benção das grandes, e eu "devo-te" mais uma de tantas que te "devo" nesta vida Senhor.
Tudo, porque decidimos que serias tu a comandar, tu a orientar, tu a guiar.

Obrigado Senhor, e obrigada por tudo meu menino.
Fazes-me ficar com um sorriso parvo, fazes-me ficar contente porque deixas a tua marca nas minhas coisas e na minha vida, e fazes-me sentir tão bem e tão querida por ti :')
És tão especial, e fazes-me ficar tão contente por te ter comigo :3



Não preciso de dizer mais nada, certo?
Dizer que gosto muito de ti é pouco, entendido? Simplesmente quero ficar contigo ♥









You Might Also Like

0 comments

Having a good time reading? Please leave us a comment below!

Responsive World Map

Footer Menu




Instagram

Footer social

TERMS AND CONDITIONS
|
PRIVACY POLICY