Quando amar dificulta as coisas

Algo que agora me atormenta Algo que agora me irrita Algo que agora me deixa tão triste com esta injustiça de vida. Chama-se "carac...

Algo que agora me atormenta
Algo que agora me irrita
Algo que agora me deixa tão triste com esta injustiça de vida.

Chama-se "característica momentânea da vida". Lembro-me da Shia se referir a ela com uma comparação de uma vida que apenas nos oferece "demos", e não encontramos a "free full version" em lado nenhum.


Dia 1 de Julho de 2012. Daqui a 5 dias seriam 8 meses.
Os lábios dele tremiam enquanto tentava arrancar palavras de dentro do seu coração dolorido. Eu movia de um lado para o outro sobre a mesa uma pestana que lhe tinha caído do olho (daquelas pestanas que só ele tem mesmo), tentanto manter a calma, conter algum tipo de lágrimas, pensar bem nas palavras que proferia, e não olhar para os olhos dele.
Hás vezes tinha que ser, e lá acabávamos por nos olhar. Doía. Parece que lhe conseguia ler o coração nos seus olhos esverdeados e sinceros. Desta vez eles não brilhavam nem um pouco, contrariamente aquelas vezes em que ele pegava em mim e me transportava para algum lado.
Inicialmente levantámos um pouco a voz, fruto da indignação que permanecia entre nós. Depois acalmámos, e acabámos por falar de como vai a nossa vida e a nossa família, perguntando como estavam resolvidos os problemas que tínhamos. Nesta última parte havia aquela voz doce dele, aquela preocupação de quem ama e se preocupa connosco, aquele sentimento solitário de pena por tudo ter de acabar assim, enquanto permanecia outro sentimento que se chama "carinho" e "apreço" por outra pessoa especial.

"para ser sincera..." 
"tu sempre foste, certo?"
 

Acabou.



Voltei com ele para a sala. Há minha volta havia muita gente, mas a mim a única coisa que me apetecia era distanciar-me um pouco, evitar me relacionar com os outros. Sorrir com ele e picá-lo como dantes faziam-me sentir realmente reavivada.

Olhar para o meu colchão tão espaçoso e saber que naquele dia, podias-me ajudar a ocupá-lo; Olhar nos teus olhos e ter vontade de te dizer como me sinto, ou de aproximar os meus lábios dos teus, e saber que não o posso fazer; Olhar para o teu cabelo espetadito e ter vontade de te fazer festinhas nele, e saber que nem lhe devo tocar; Saber que na tua cabeça está a passar-se tanta coisa, e eu não posso saber metade do que por lá se passa; Conhecer-te tão bem, e ter consciência de que não adianta eu prever o que vais fazer a seguir, porque isso já não me vai dizer respeito; Estar na cidade do costume, e não poder estar com aquela família a quem eu me apeguei tanto, e que me recebeu tão bem (vou ter tantas saudades do teu mano, da tua mãe, de ir convosco até à igreja, de me rir das vossas cromisses e coisas engraçadas!); Adorar tanto a tua personalidade e ter de desistir, lutar contra o meu coração por saber que não dá; Olhar para ti e ter a certeza de que já não me pertences, e de que a melhor coisa que me aconteceu nos últimos meses foi o facto de me teres pertencido.



Talvez palavras não sejam suficientes para descrever aquilo que sinto, a forma como me sinto perdida neste momento. Tenho vontade de desistir de tanta coisa, de me revoltar com a vida por me ter mostrado algo perfeito durante uns meses, para depois fazer surgir um único problema que viria a estragar tudo.
Por mim passava uma semana sem fazer nada, talvez a ouvir músicas deprimentes e melancólicas enquanto lia ou via fotografias antigas. Ou talvez passar algum tempo deitada a ouvir música e pensar em momentos tão agradáveis pelos quais já passei.
Mas isso seria depressivo demais, e eu gosto demasiado do meu optimismo.




Durante muito tempo acreditei que tinha nascido para permanecer do seu lado. Acreditei que Deus tinha-nos feito conhecido um ao outro para que nos pudéssemo-nos ajudar mutuamente, e para que finalmente eu pudesse parar de sofrer com pessoas idiotas. Acreditei que era eu a escolhida para o fazer levantar dos seus problemas e o ver sorrir.
Eu adorava (e ainda adoro) o jeito de ser dele, adorava aquela personalidade dele e a maneira desajeitada de fazer as coisas. Havia coisas que os meus pais sempre reclamavam comigo por ser diferente das outras pessoas, e até nisso ele era igual a mim. Ele adorava dormir em sofás, ele detestava lençóis e camas, ele via anime e falava japonês. Era jeitosinho, olhos esverdeados, vestia-se bem, cuidava de si, amava a Deus e seguia os Seus mandamentos, importava-se em aprender d'Ele e fazer a Sua vontade, era Adventista do Sétimo Dia, cheirava super bem, tinha uma parte tímida fofinha e acima de tudo, um sentido de humor extremamente apurado.
Era diferente das outras pessoas, bastante peculiar. Confiava em mim e dava-me alguma liberdade, o que ainda me prendia mais a ele.
Ele era o tipo de miudo que me fascina. Ele é baixito, bonitinho, e tem um ar de pequenito, que nem eu.
Que mais queria eu?



O tempo fez-me perceber que a nossa união tinha vários propósitos, nos quais estavam, dentre muitos, a minha decisão definitiva de voltar para a igreja e a melhoria da minha auto-estima, que estava bem lá no fundinho desde há muitos anos.

Mas revolta-me tanto que tenhamos de passar por pequenos momentos tão bons e tão perfeitos, para eles serem retirados de nós tão facilmente! Hás vezes preferia nem sequer ter vivido-os. Sei que são eles que nos fortalecem e nos ensinam a crescer, mas hás vezes preferia não viver coisas tão boas, se elas não vão permanecer.

Revolta-me saber que não posso ajudar a pessoa que mais amo, e que tenho de me afastar um pouco para fazê-lo.
Ainda que me apeteça de uma forma muito forte derramar lágrimas, sei que isso não vai trazer solução ao meu problema, e ultimamente a única coisa que me tem trazido é uma dor de cabeça de todo o tamanho -.-


Começo a achar que, se eu não estivesse longe dele, estaria tudo bem.
Tenho a impressão que o conheço tão bem, que sei sempre como ele agiria em cada situação.
Há uma parte de mim que quer acreditar que, uns anos mais tarde, ainda vou voltar a permanecer do lado dele.  Estaria a mentir se dissesse que é uma parte mínima. Ainda assim, sei que não posso alimentar fantasias, e que já tenho idade suficiente para perceber aquilo que é ou não possível.



Gostava de te dizer o quanto ainda te amo apesar de tudo (o que é óbvio e claro), de te agradecer por me teres feito tão feliz e por teres colocado a  minha auto-estima onde ninguém colocou antes; gostava ainda de não te esconder algo que talvez nem nunca venhas a saber, que foste o melhor namorado que tive até hoje, que me fizeste acreditar em relações quase perfeitas, e que eu dava tudo para nunca ter de te deixar.
Enfim, apesar de ter tido uma duração demasiado mínima, ainda te agradeço por teres sido, ou melhor, por seres um rapaz tão especial. Talvez ainda permaneças como menino dos meus olhos durante bastante tempo.


(lembras-te deste dia? Estava a chover a cântaros, e ainda assim eu fui até Aveiro. Foste-me buscar de carro ao parque)


Alguém me falou sobre o facto de não devermos desistir da nossa relação. Lembrou-me do quanto ficamos bem e de que, quando se ama alguém, não se deve desistir por nada deste mundo.
Ele fez-me voltar a derramar lágrimas quando eu tinha tentado durante todo aquele tempo apagar do que tinha acontecido para parecer forte.

"Eu conheci muitas namoradas dele, e eu achava mesmo que vocês os dois ficavam tão bem, que pensei que fossem feitos um para o outro."


Essa pessoa disse algo que eu já tinha sentido, algo que eu já tinha pensado. Essa pessoa começou a alimentar algo que eu tinha evitado ao máximo alimentar, fez-me perceber o quanto eu estava deprimida e solitária, o quanto eu te amava e o quanto estava a me esforçar para tentar ultrapassar todos os sentimentos negativos e sorrir a tudo. Parecia que eu estava bem, não é?




Passámos imensas semanas sem nos falarmos enquanto namorados. Acabámos, e temos estado a falar. E é por isso mesmo que teve um fim, porque quero estar desta forma contigo, bem, alegre, e continuar a mimar-te, agora dentro do que é permitido a uma amiga.

A única opção que está ao meu alcance atualmente é oferecer-lhe a minha amizade, o meu apoio, a minha atenção, e orar por ele e por orientação das nossas vidas como tenho feito já há algum tempo.

Agora quero continuar a vê-lo sorrir, quero continuar a ter a sua companhia e a sentir o seu perfume do meu lado, mesmo que não haja abraços, caricias ou palavras bonitas. Vou tentar evitar me lembrar de tudo o que passei e resistir a ouvir músicas como a "Yours to Hold" de Skillet, Avenged Sevenford ou a "Miss You". E sabes porquê? Porque há tanta coisa na qual eu relembro-me de algo que passei contigo só de olhar para lá. E lembrar-me de momentos do teu lado é algo maravilhosamente agradável (são lembranças boas e felizes, é natural), mas é simultaneamente algo doloroso.
Não tenho fotos, tu nunca gostaste disso. Tenho uma ou outra, mas nada de muito juntos ou algo do género. Passou tão pouco tempo e já tenho tantas saudades tuas :(

Agora não vou fazer nada mesmo.Tenho de encarar a realidade de termos acabado. Eu não diria que "tenho de seguir em frente", mas sim que tenho de aceitar os factos, e continuar com a minha vida.
Não vou fazer esforço para o esquecer nem vou correr atrás dele, porque a última coisa que eu quero fazer é magoá-lo, e esta situação estava a magoar-nos aos dois.
Vou continuar a querer vê-lo, vou continuar a procurar o seu sorriso e a sua companhia que me faz sentir tão viva, nem que seja como amigo :( Ele vai continuar a ser o meu menino especial, e eu vou fazer os possíveis para o ver feliz e sem problemas.

Afinal, o que é que uma pessoa que ama quer mais do que ver a outra feliz?


Para ti vida, I got questions:
- Porque é que duas pessoas que se amam têm que se separar e sofrer tanto se poderiam ser tão felizes juntos?
- Porque é que pessoas tão boas de coração e verdadeiras têm de ser portadoras de tão grandes problemas?
- Porque é que determinadas pessoas têm de sofrer com determinadas coisas, e porque é que elas não podem melhorar?

De ti Deus, I get answers, and I hope that I can realize them soon.

You Might Also Like

1 comments

  1. Agora isso acabou, já estás feliz novamente. Nunca baixes a cabeça^^
    Não é que a vida não nos dê os "full versions"..é apenas dificil de as encontrar.
    Usemos os demos e abusemos deles e talvez consigamos a versão total :p
    Não te esqueças que às vezes aparece um botão após o free trial " o seu trial expirou, deseja comprar a versão total?"
    é justamente isso "comprar" mas neste caso, "lutar" por ele, sofrer por ele e no fim...Ah! no fim! Temos a recompensa: a versão full tão bem que sabe!
    Não é que os problemas desapareçam. Não, claro que não! Isso haverá sempre. É apenas a maneira de a vida dizer que estamos vivos e precisamos de lutar. Nunca baixar os braços e lutar sempre por mais. Afinal, é isso que nos mantém vivos.
    Qual seria a piada de ter "a papa toda feita"? que vida levaríamos nós?
    Uma Vida monótona sem valor nenhum.
    Muitas vezes...Muitas vezes a vida não é justa, não. Complica a vida demasiado a uns e facilita muito a outros.
    Nunca baixar os braços, erguer sempre a cabeça e manter sempre o optimismo. E isso, Danny...isso tu consegues sempre. És uma pessoa tão forte^^ e tenho imenso orgulho em ti.
    Sei que já passaste por muito e, no entanto, esse sorriso nunca "descola" da tua cara^^
    Nisso não sou tão forte como tu, não de há uns anos para cá xD
    Tenho orgulho de dizer que és minha amiga, Danny. E sempre serás, isso eu sei.
    Passe o tempo que passar, a distância que se mantenha entre nós (agora menos :p), nunca sairás daqui : <3 do meu coração.
    Como uma sábia moça uma vez me escreveu, ehh assim à uns anitos atrás, ainda muito mais moças estávamos: " Tens de cumprir pena preventiva no meu coração e não há fiança nenhuma que a pague".
    Tu também hás de cumprir pena até e mesmo após morreres (depende de quem morrer primeiro né xD - que conversa O.O).
    I'll never forget our moments :D
    Amorothe <3 My FF/BFF

    ReplyDelete

Having a good time reading? Please leave us a comment below!

Responsive World Map

Footer Menu




Instagram

Footer social

TERMS AND CONDITIONS
|
PRIVACY POLICY