Quarto de sonho

Por uns largos dias pensei que a minha vida estudantil não passaria de stress: levantar cedo, vir tarde, mesmo que apenas tivesse uma aula, ...

Por uns largos dias pensei que a minha vida estudantil não passaria de stress: levantar cedo, vir tarde, mesmo que apenas tivesse uma aula, fosse a que hora fosse. Tempo perdido em viagens, desmotivação, ausência de exercício. E fora, durante algum tempo, a minha grande preocupação.

Felizmente deu para perceber a complicação que seria e, depois de um dia bastante deprimente, em que mais uma vez os meus planos para resolver situações saíram furados, não podia haver nada que me fizesse mudar de espírito, se não uma situação em que quase pedi que me beliscassem, ou que me viessem acordar, não estivesse eu a sonhar.



Ainda não consigo acreditar que, muito provavelmente, estarei a morar ali durante ricos 5 anos. Qualquer pessoa que consiga ali quarto, fica sempre até acabar o curso. A mim não me admira absolutamente nada, visto a coisa única que aquele lugar é :O
Começo por dizer que é um género de uma quinta paraíso, é rica não só em beleza, como em simples pormenores escondidos que até nos fazem ficar impressionados.
Fica relativamente perto da Universidade, será facílimo pôr em prática as minhas caminhadas de cá para lá e de lá para cá, quem sabe daqui a um tempo não compre uns patins e ande por lá a velocidades mais elevadas. Sempre posso ficar a dormir até mais tarde quando tenho possibilidade para tal, e já sei que no caminho vou logo direitinha para aquele paraíso, que se irá tornar na minha casa. Posso tratar das minhas refeições, distribuir melhor o meu tempo para todos os aspectos.
Para as minhas corridas, tenho quase um bosque com árvores alinhadas de forma perfeita, com cerca de 1300 cerejeiras. Quase que dá para me perder lá dentro, e é de tal beleza aquela imagem, que eu só tinha vontade de abrir a boca e não a fechar mais.
O passeio do jardim é empedrado, e todo ele é delineado por plantas e flores de toda a espécie, árvores de fruto (bananeiras, pereiras...) aqui e ali, tudo de uma forma tão trabalhada, que eu era capaz de passear pelo exterior da casa vezes sem conta.
Locais para estudar não faltam, parece haver bancos de exterior em tudo quanto é canto, mas ainda assim sou capaz de preferir aquele cantinho coberto com ervas trepadeiras e um arco de pedra, com uma mesinha e bancos de pedra também.





Até mesmo uma churrasqueira de madeira, situada do lado daquelas casinhas antigas onde se guardava o milho, é algo que não falta, acompanhada de, mais uma vez, uma mesinha e bancos. Para embelezar ainda mais o local, fica mesmo do lado uma árvore que foi torcida aquando do seu crescimento, de maneira a formar uma barriga.
Comer da parte de fora, portanto, não é problema de forma nenhuma. Não é só a churrasqueira, como também há grandes mesas rodeadas de cadeiras, todas elas muito bem trabalhadas (típicas peças de exterior que se encontram, por exemplo, nos restaurantes), para um belo jantar na varanda grande do segundo andar, por cima das garagens. As mesas têm até uma "peça" redonda um pouco mais acima, de forma a poder rodar a comida por todas as pessoas à mesa.
Ali é um óptimo local para passar um bom serão, até para dançar, quem sabe.
A parte de cima dessa varanda, é outra varanda que pertence aos donos da casa. Escusado será dizer que todas elas têm vasos de flores aqui e ali, e as escadas são incrivelmente embelezadas com mais plantas trepadeiras.





No jardim, de entre pequenos recantos aqui e ali de belezas, há ainda uma piscina (que nesta altura do campeonato se encontra tapada, obviamente) num espaço relvado, propício ao trabalho do bronze em alturas de Verão, com a companhia de umas espreguiçadeiras lá perto.
Ali a Natureza reina de qualquer das formas, não só pelo verde e o colorido das flores que desabrocharam, como pelo encanto de todos os seres vivos. Ali os pássaros de toda a espécie fazem-se ouvir a quase toda a hora do dia, montam os seus ninhos nalgumas árvores e a sua altura, retornam ao seu local de origem. Parece que até mesmo as andorinhas, que constroem os seus ninhos nos cantos da grande quinta, gostam de poisar nos ombros das pessoas que por ali moram.




A parte do interior é igualmente agradável. A entrada traduz-se na cozinha, que tem sempre um ar asseado devido à estima que as pessoas "da família" lhe vão dando. Aqui e ali vêem-se quartos de gente que já lá conta os seus anos de estudo (um deles é maior que a sala da minha casa, com janelas enormes cobertas de longas cortinas, um grande armário, estucador, mesa de estudo e estante cheia de provas de anos univeristários; outros mais simples, mas cheios de vestígios pessoais de personalidades e de vivências), duas casas de banho por apartamento, pelo menos uma delas com jacuzi e tudo. O meu quarto talvez seja do tamanho dos que sempre tive em toda a minha vida, tanto em Viseu, como em Lamego. É um quartinho duplo, com duas camas, uma mesinha para estudar e uma janelinhas de cortinas opacas de cor verde escuro, e pouco mais pude reparar. Sei que é um cantinho agradável, e que em breve terá por lá a minha marquita pessoal aqui e ali e a nível de acessibilidade, trata-se de um quarto com a casa-de-banho mesmo do lado e o guarda-fatos mesmo de frente. Penso que é um apartamento de três/quatro pessoas, e como o senhor diz, é tudo família, e tudo se dá bem, e é o que realmente se espera.
No meu quarto pode ainda ficar outra pessoa, o que fará com que o preço baixe consideravelmente, e eu ganhe uma companhia. Esta é uma questão a reter e a pensar de forma prudente e sábia, quem sabe alguém com ideais religiosos semelhantes, ou um curso semelhante, ou com uma grande amizade. Neste aspecto não quero ter pressa, pretendo, mais uma vez, deixar que Deus decida a minha vida sem qualquer tipo de pressão.
O outro apartamento situa-se mesmo do lado do outro, este defrente para a varanda. As diferenças não são quase nenhumas, e entre um quarto e outro, o outro pareceu mais a "minha cara". Tanto um apartamento como o outro, têm cantinhos mais simples como um local com dois sofás e uma televisãozinha, ou uma simples arrecadação...
Com certeza acabaremos por conhecer a gente do apartamento do lado, bem como as gentes da outra casa mais longe, que têm permissão para aceder ao jardim e às suas belezas.
Não posso esquecer ainda de mencionar que, quem vai para a parte dos donos da casa, pode-se encontrar com relíquias que qualquer museu estaria disposto a aceitar para exposição.
Quem sabe eu não venha a finalmente conduzir até lá, e tenho carta branca para colocar o meu carrinho numa das garagens de baixo.




Estou ainda motivada também com o facto de ter acesso à igreja de Vila Real, que finalmente já sei onde se encontra, e a qual fica a uma distância consideravelmente agradável. Ainda assim, nada que não se fizesse melhor com a companhia de alguém ^^ Para além de ter alguma percepção de localização da santa casa onde vou passar bastante tempo, ainda acabei por relembrar que foi exactamente ali, à uns anos atrás, que fizemos uma visita e eu, pequenina, acabei por partir umas tábuas no local de cima na brincadeira. Bom, espero que seja algo que tenha caído no esquecimento, e quem saiba não seja motivo de risada anos mais tarde.

Para alguém que adora fotografia, não poderia me encontrar em local melhor do que este. Vou ter muito por onde experimentar o meu tripé e, para todos aqueles que após as grandes descrições que fiz de forma entusiasmante, ficaram deslumbrados e ganharam logo ideias de visitas (aos que, consequentemente, tive de responder de forma menos entusiasmante pelo facto de ser um sonho um pouco privado e destinado apenas às pessoas que lá se encontram), possam ter um cheirinho da realidade sem ser unicamente contada e descrita, porque "uma imagem vale mais do que mil palavras" (e eu já perdi a conta das palavras que tenho para aqui nesta postagem xD). Assim que puder, acompanho desta descrição as provas concretas da quinta de sonho.




Creio que em toda a minha vida nunca morei num sítio assim, e provavelmente nunca morarei num sítio melhor do que aquele.
Se eu contar a alguém, penso que não vai dar para acreditar em mim mesmo, mas eu até percebo porquê. Eu mesma ainda estou incrédula com isto tudo. A partir de agora acho que as pessoas vão começar a achar que sou rica: tenho três casas, e uma delas é algo fantástico mesmo.
Mas a realidade é que estou a pagar ainda menos do que muita gente que não tem nem um quarto das condições que terei naquele local. Parece que foi uma oportunidade que caiu do céu. Já não bastam ser poucos os quartos (e portanto, mínima a oportunidade de conseguir arranjar ali estadia), naquele ano saiu um número considerável de meninas do local. E assim foi, que de certa forma fui conduzida até lá, e nem quis procurar por mais nenhum local, aquele surpreendia todas as minhas expectativas ou ideias que eu pudesse ter. Nunca pensei mesmo que algo como aquilo houvesse, tão perto de para onde eu vou, muito menos que eu fosse lá morar no meu tempo estudantil!
Parece um caso de uma história qualquer de aventura que se vende por aí para os jovens.
Estou deslumbrada, e não tenho palavras para tal.
Sei que vou aproveitar muito do meu aluguer, e quem sabe eu não vá aproveitar umas semaninhas com as pessoas da família de lá durante as férias, tratar de cumprimentar o Sol, o calor, a piscina, e as festas da fruta, enfim, encher a barriga de cerejas e muito bom tempo.
Estou muuuuito motivada *_*





You Might Also Like

0 comments

Having a good time reading? Please leave us a comment below!

Responsive World Map

Footer Menu




Instagram

Footer social

TERMS AND CONDITIONS
|
PRIVACY POLICY