Ficou para trás...

O disco externo acabou de ser formatado. Com ele, todos os trabalhos que fiz antes, todas as fotografias que tirei, todos os episódios que v...

O disco externo acabou de ser formatado. Com ele, todos os trabalhos que fiz antes, todas as fotografias que tirei, todos os episódios que vi e revi, todos eles ficaram para trás. Os trabalhos, estão entregues a maioria. As fotografias, não passavam de pequenos fragmentos congelados no tempo de algo que passou, que deixou muitas alegrias e tristezas. Os episódios estão vistos, outros também não, mas podem ser encontrados em qualquer parte da Internet. É certo que ninguém me devolve o tempo que passei a sacar imagens do minitokyo, a procurar e a escolher detalhadamente fotografias de cosplay e a extrair ficheiros de manga ou a colocar nome nas fotos e a organizá-las por pastinhas e por datas. De que me adianta ter tanto trabalho se tudo acaba por ficar para trás? É realmente verdade que pudemos recuperar os ficheiros. Não na sua totalidade, mas com um bom programa talvez ainda se recupere grande parte, mas ainda assim nada vai ser como dantes. Vou precisar de tempo para organizar tudo de novo e os outros documentos, aqueles que não se recuperam, esses ficam definitivamente para trás. A sorte não tem sido muita, até um telemóvel se foi e para trás, ficaram os meus memoriais de listagens com coisas para fazer e vários contactos.


Electrónica, electrónica... perdemos tempo de mais com as tecnologias e depois de guardarmos quase tudo da nossa vida nelas, elas decidem nos trair e obrigar a deixar tudo para trás. E assim é. Comigo acontece-me o mesmo na vida - agora mais do que nunca. Agora nem tenho a preocupação de sentir que alguém que eu não deseje possa ler as mensagens e tirar conclusões (certas ou erradas consequentemente) ou venha tirar fotos minhas para pensar numa próxima estratégia para tirar as suas, porque eu deixei de ser importante, eu fiquei para trás. Dei tudo de mim a certa altura, mas quando deixei de dar um pouco mais, fui eu que outrora estive lá, que ficou para segundo plano, que ficou "a mais". Às vezes tenho saudades de ser compreendida, tenho saudades de ter uma sombra ou alguém que compartilhe dos meus pensamentos.
Tenho saudades de ter uma motivação maior, de não ter esta vida monótona que só quebra o ritmo com coisas menos boas e saudações inesperadas. Tenho saudades de não ter medo de arriscar, de querer cair de um pico sem medo de aterrar, de chegar a um certo sítio e mandar um grito sem ter a sensação de não querer passar despercebida. Tenho saudades de viver momentos de silêncio, conforto e entrega, onde só se ouvem os corações a bater (esse, parece que ficou bem lá para trás e agora só sabe acelerar com uma boa corrida...).
Acho que vou deixar para trás aquilo a que me agarrei, que está cada vez mais a tentar me soltar de si próprio. Os sonhos de criança, que jurei nunca largar, esses estão a tornar-se numa nuvem longínqua que se vai dispersando e agora, tenho sonhos maiores e ainda mais impossíveis, que procuram unicamente a felicidade e quem sabe, saúde.
Apercebo-me das coisas que possuía, como se fosse rainha de tudo, e agora ficou tudo lá... lá bem para trás...



Quem não ficou para trás? Aqueles que eu admiro, aqueles que me compreendem, aqueles que verdadeiramente me conhecem e me amam. Esses, irão sempre para a frente...
Obrigada, por estarem presentes em alturas como esta :'( ♥

You Might Also Like

0 comments

Having a good time reading? Please leave us a comment below!

Responsive World Map

Footer Menu




Instagram

Footer social

TERMS AND CONDITIONS
|
PRIVACY POLICY